0800 48 5050 Fale Conosco

O gás natural

O gás natural

O que é o gás natural

O Gás Natural é uma mistura de derivados de combustíveis fósseis, formados por animais soterrados que ficaram submetidos a intenso calor e pressão ao longo de milhares de anos ou da biomassa quando está em decomposição.

Antes do Gás Natural ser utilizado como combustível, ele deve passar por um tratamento para retirar impurezas, por isso sua composição produz uma combustão limpa, que emite menor quantidade de dióxido de carbono na atmosfera. Tudo isso faz do gás natural um combustível altamente valorizado e utilizado em todo o mundo.

É um energético moderno e versátil que pode ser utilizado em indústrias, no comércio, em residências e em veículos. Esta modernidade traduz-se em conforto, economia, comodidade e segurança aos seus usuários, tudo isso com respeito ao meio ambiente.

Para ser comercializado no país, o gás natural precisa seguir as especificações da Resolução ANP Nº 16, de 17.6.2008 - DOU 18.6.2008, da Agência Nacional do Petróleo.

segurANÇA

Saiba alguns motivos que fazem do gás natural um energético seguro:

  • Por ser distribuído de forma canalizada, elimina a necessidade de estocagem, evitando acidentes;
  • Por não possuir cheiro, antes de ser comercializado, passa por um processo de odorização, para facilitar a sua rápida identificação no caso de vazamento; 
  • Por ser mais leve que o ar, dispersa rapidamente na atmosfera em caso de vazamento;
  • Para ser comercializado, o Gás Natural precisa cumprir as especificações do Regulamento Técnico da Agência Nacional de Petróleo (ANP), que determina teores extremamente baixos de umidade, dióxido de carbono e compostos de enxofre. Com isso, o Gás Natural não provoca corrosão no interior das tubulações, aumentando sua vida útil e diminuindo os riscos de vazamentos.

COMO O GÁS NATURAL CHEGA ATÉ SANTA CATARINA

As tubulações responsáveis pelo envio de gás natural das fontes produtoras até os consumidores recebem o nome de gasoduto.

Um gasoduto é uma rede de tubos que leva gás de uma região produtora, como a Bolívia, para uma região consumidora, como o Brasil. O gás é transportado pelos tubos com a ajuda da diferença de pressão: em um ponto, chamado estação de compressão, a pressão no duto é elevada e “empurra” o fluido para o ponto de menor pressão. 

No gasoduto entre a Bolívia e o Brasil, o gás percorre mais de 3 mil quilômetros (557 quilômetros no país vizinho e 2 593 quilômetros por aqui) enterrada a 1,2 metro de profundidade, transportando até 30 milhões de m³ de gás natural por dia.

  • Tudo começa com a extração do gás na Bolívia. Lá, ele é retirado do solo, que é perfurado por sondas. Como o gás está sob pressão embaixo da terra, ele sai naturalmente quando encontra uma brecha. Antes de entrar no gasoduto, o Gás Natural, constituído principalmente de metano, é purificado.
  •  Antes de iniciar viagem, o Gás Natural ainda tem que ser comprimido para uma pressão entre 80 e 100 kgf/cm² , 80 a 100 vezes maior que a da atmosfera ao nível do mar. Ao longo do gasoduto, estações de compressão ajudam a recuperar a pressão perdida pelo caminho.
  • Não dá para tirar o gás em qualquer ponto do gasoduto. Mas a tubulação passa por 36 cidades onde há estações de entrega. Nessas saídas para o produto, o gás tem a pressão diminuída para cerca de 35 kgf/cm² (por razões de segurança) e é retirado por companhias distribuidoras locais.
  • Outro tipo de estação é a de medição. Existem várias espalhadas pelo trajeto. Uma estação de medição é simples: ela possui equipamentos para monitorar o volume e a velocidade do gás. Funciona como um posto de controle.
  • O gasoduto também tem mecanismos de segurança. Há 115 válvulas de bloqueio, posicionadas com intervalo de 30 quilômetros entre uma e outra. Elas fecham a passagem do gás quando há sinal de vazamento na área. Há válvulas de bloqueio também nas estações de compressão.
  • A manutenção é feita por via terrestre, aérea e até aquática, onde mergulhadores checam trechos em que a tubulação cruza rios. Entre outras coisas, os técnicos conferem a preservação da “faixa de servidão”, um trecho de 20 metros de largura que acompanha todo o gasoduto. Nessa faixa, é proibido construir e plantar. 
  • Nas cidades onde são consumidos diariamente milhões de m³ de Gás Natural, o produto não é armazenado em botijões, como acontece com o gás do tipo GLP. Ele sai diretamente do gasoduto para os dutos das distribuidoras locais, que alimentam postos de combustível, residências e indústrias.
  • O gasoduto segue para o sul do Brasil até Canoas (RS), onde finalmente termina após 3.150 quilômetros. A tubulação que transporta o gás é de aço-carbono, um dos mais resistentes. O diâmetro dos canos varia entre 16 e 32 polegadas (de 40,6 a 81,2 cm), dependendo do trecho.