0800 048 5050 Fale Conosco

Notícias

Acompanhando o desempenho da economia catarinense, consumo de Gás Natural registra recordes no mês de maio

O consumo de Gás Natural em Santa Catarina registrou crescimento no mercado industrial, veicular e urbano durante o mês de maio. As indústrias, por exemplo, tiveram um recorde histórico, com crescimento 4,54% maior do que em abril, mês que já havia registrado recorde de consumo. Além disso, as 16 mil residências catarinenses que utilizam gás natural consumiram 30% a mais que no mês anterior e o setor comercial 5,63% comparando com abril.

“É um grande avanço. A distribuidora está apresentando resultados, ampliando os mercados atendidos e, em 2020, ligou o maior número de clientes da sua história, chegando a mais regiões catarinenses”, afirma o governador Carlos Moisés.Estes sucessivos recordes no consumo de Gás Natural vão de encontro ao crescimento da economia catarinense em 2021.

Segundo a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Sustentável (SDE), o PIB catarinense cresceu 2,9% no acumulado dos 12 meses frente ao mesmo período do ano anterior. Setores como o industrial, com alta de 4,6%, puxaram esse crescimento. Além disso, a produção industrial catarinense teve variação positiva de 24,4% na comparação entre os meses de janeiro e abril de 2020 e de 2021.

Para o Diretor Presidente da SCGÁS, Willian Anderson Lehmkuhl, o Gás Natural é essencial para o desempenho da economia catarinense. 

 " Desde o início do ano estamos registrando recordes no consumo de Gás Natural, com recuperação em todos os setores pós crise causada pela pandemia. As 321 indústrias que atendemos, por exemplo, são responsáveis por cerca de 50% do PIB industrial catarinense, o que significa que o crescimento no consumo desse setor está diretamente ligado à recuperação da economia em 2021 ", finaliza Lehmkuhl.

Durante o mês de maio, o GNV (Gás Natural Veicular) comercializado segue mantendo o ritmo de reação pós crise no início da pandemia e registrou crescimento de 1,48%. O resultado é o maior do ano e o melhor desde março de 2020, no início da pandemia.




Assuntos relacionados