0800 048 5050 Fale Conosco

Notícias

SCGÁS é vítima de fake news

Respondendo à nota publicada pelo Jornalista Moacir Pereira em seu blog no ND+, a SCGÁS comunica que, em atenção ao seu código de conduta ética e ao seu regime de compliance, não comenta processos que envolvam relações de trabalho com seus colaboradores, com o principal intuito de preservar os envolvidos.

No caso questionado e mencionado, informa que a parte tem direito ao contraditório e ampla defesa no prazo estabelecido dentro do processo que trata do assunto. Quanto à eventual denúncia promovida junto à OAB/SC, como o mesmo denunciante já o fez em outros episódios sem sucesso, a Companhia irá responder no âmbito daquela entidade. 

Reforça que age dentro dos princípios legais e preservando os objetivos da empresa que opera fruto de concessão pública, norteados pelas suas políticas e normas internas e pelas diretrizes regulatórias do seu serviço.Informa que o referido denunciante não representa os empregados na Diretoria da empresa, embora tenha realizado eleição ilegal com apoio do sindicato, vem acumulando sucessivos insucessos na justiça enquanto a empresa promove e dá sequencia ao seu processo eleitoral dento da legalidade.

Ressalta, como já mencionado, que não promove nenhum tipo de perseguição, tão pouco política, considerando que é uma empresa com capital majoritariamente privado, gestão eficiente e índices acima do mercado nacional de gás natural.

Nega, veementemente, que seu Diretor Presidente é afilhado político de quem quer que seja. Willian Anderson Lehmkuhl é empregado concursado da SCGÁS desde 2006, exerce atividades na empresa desde o ano 2000 quando foi iniciada a operação das redes de distribuição em Santa Catarina, é engenheiro e mestre pela UFSC e ocupa, desde 2016, lugar de destaque em comitê da Internacional Gas Union, maior corporação de gás natural do planeta. Esta trajetória fez com que fosse escolhido o primeiro diretor presidente alçado do quadro de empregados da empresa.

Lamenta, por fim, que informações são divulgadas sem a devida checagem e sem consultar uma das partes da “notícia”, contexto que põe em dúvida a credibilidade das supostas alegações do denunciante, tomadas como verdade pelo jornalista Moacir Pereira sem consulta prévia à SCGÁS.




Assuntos relacionados